CADA VEZ MAIS PERTO DA VIDA UNIVERSITÁRIA | Mermaids Don't Do Homework

segunda-feira, agosto 07, 2017


Acredito que neste momento não sou a única a passar por isto. É impossível que dentro das centenas de estudantes que este ano pretende ingressar ao ensino superior eu seja a única que passou os últimos 22 dias (ou coisa que lhe valha) a ter de uma crise de existencialidade e dois ou três ataques de ansiedade por dia. 

Para quem acompanha o blog (pessoas que eu amo do fundo do coração por me continuarem a ler mesmo quando eu me esqueço de escrever) viu no post TERMINAR O SECUNDÁRIO, TIRAR A CARTAR, RANCHAR E MUITO MAIS... que desde que eu fiz a minha candidatura online (tipo no próprio dia 17 porque deixar as coisas para o último dia até pode ser o jeito favorito dos portugueses, mas nesse aspeto gosto de fugir à tradição) que tenho passado um mau bocado. Já chorei, passei noites em claro, vomitei e cheguei a pensar em desistir de tudo, principalmente das coisas que dou como garantidas. Depois acabei por me ocupar com todas as outras atividades que tinha na vida, como tirar a carta, o rancho e até as responsabilidades que tive como mordoma da comissão de festas de Moure de Madalena.

Quando dei conta as atividades que me ocupavam os dias foram concluídas (como a festa) e outras passaram a ocupar menos tempo e, com o aproximar do fim do prazo da candidatura o bichinho voltou a nascer do meu próprio ventre para me aterrorizar e me fazer questionar tudo mais uma vez. Acredito, que no meu caso, as indecisões não desaparecem porque o meu grande sonho sempre foi ser atriz, mas por motivos pessoais eu decidi não cursar teatro para poder ficar na minha cidade natal. Então, e por mais que comunicação social e educação básica sejam coisas das quais eu gosto e que eu acredito que me fariam ser uma profissional contente com o seu trabalho fico constantemente a questionar me: então, daqui a trinta/quarenta anos eu quero estar a apresentar o jornal da noite ou a mostrar aos meus netos as fotografias das primeiras turmas que tive?


E sabem o que é pior? As pessoas costumam dizer me que quanto à universidade entrar é fácil, o difícil é sair. E, obviamente eu sei que depois de entrar é que começam a surgir as verdadeiras dificuldades, mas se eu me sinto mentalmente esgotada com a fase da candidatura, o que levou a que todo o meu sistema nervoso se unisse contra mim, o quê que será de mim quando tiver de enfrentar as frequências? Ou as longas noites passadas a preparar um trabalho qualquer? É, meus unicórnios e minhas fadas, talvez eu não tenha estufo para ser aluna universitária. Vou desistir por causa disso? Não senhor, aliás, nem o desemprego ou o trabalho como caixa do continente depois de formada me farão arrepender de ter optado por ingressar na universidade em 2017.

TAMBÉM PODERÁS GOSTAR DISTO...

3 comentários

  1. A pior parte (para mim) é ficar à espera de saber se entro ou não no curso que pretendo. Eu terminei o secundário à dois anos e tirei um TeSP em Organização e Gestão de Eventos. Ora se pretendermos entrar na licenciatura - é o meu caso - temos apenas 5 vagas para o curso que pretendemos no diurno, o que me deixa assustada porque existem umas 15 pessoas da minha antiga turma do TeSP a querer entrar no curso... E 5 VAGAS APENAS! Ora eu sei que tenho uma média minimamente boa (um 15.05 vá) no entanto não sei como estão os restantes, e isso é assustador :p Sair para mim não é problema (porque estive no TeSP e já tenho uma noção de como as coisas funcionam), o pior para mim é entrar ehehe
    Beijinho,

    Facebook
    BLOG - VOCHEL
    Instagram

    ResponderEliminar
  2. Entendo o teu sentimento pois ando a passar pelo mesmo. Só espero conseguir entrar naquilo que realmente quero.

    All We Need Is... | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar

Olá meus amores! Ou como eu gosto de vos chamar, Woah'zitos.
No caso de vocês estarem interessados em comentar o conteúdo aqui do blog, fiquem a saber que depois de responderem ao formulário de comentários a vossa opinião não ficará visível, mas irá ficar assim que eu lei-a o comentário e autorize a sua publicação.
Prometo responder a todos vocês como muito amor e carinho.

Aviso

Na sua maioria, as imagens e ilustrações utilizadas no blog são retiradas do Tumblr, Pinterest ou de uma pesquisa no Google Imagens. Se por coincidência alguma das imagens aqui partilhadas seja tua ou de alguém que conheces, agradeço que entres em contato comigo para a devida identificação ou exclusão das mesmas.

Os textos são da minha autoria, então caso queiras retirar alguma informação, eu agradeço ser citada e/ou informada. Qualquer informação retirada de um jornal, revista, livro, Internet ou outros, estará citada e identificada.

Instagram